Joe Lauzon - A arte de nunca lutar de forma conservadora

"Acho que a parte importante é que não tenho medo de perder. Desde que comecei a praticar jiu jitsu, sempre fui atrás das coisas, eu ataco." - Joe Lauzon
UFC lightweight Joe Lauzon
Desde que o UFC instituiu o sistema de premiação de Luta da Noite, quem mais faturou os cheques foram o peso leve Joe Lauzon e o campeão dos médios Anderson Silva. Na jaula, a ousadia está em aceitar os riscos para terminar a luta e não esperar pela pontuação ser lida depois. Para Lauzon, um mago na luta de solo, sua predisposição para tentar finalizações é igualmente parte coragem, parte confiança calculada.  
  
"Acho que a parte importante é que não tenho medo de perder", revela Lauzon. "Desde que comecei a praticar jiu jitsu, sempre fui atrás das coisas, eu ataco. No começo, acho que estava atacando um pouco às cegas, mas com o tempo fiz um bom trabalho. Algumas pessoas acham que me arrisco demais, mas são riscos bem calculados. Tomo uma decisão em uma fração de segundos, mas me coloco nessas situações o tempo todo no treino, então tenho uma boa ideia se vai funcionar ou não."  
  
Antes de se focar em finalizar as lutas e a espetacular recompensa que isso pode render, os treinadores, os treinos, e o lutador estão focados em 29 de dezembro e no UFC 155, quando Lauzon colide com o postulante ao topo da AMA Fight Club em Whippany, New Jersey: Jim Miller. Com 21-4, o ultra-agressivo faixa preta de jiu-jitsu está entrando para substituir o lesionado Gray Maynard. Não é sempre que um lutador de alto nível como Maynard, cai de uma luta e é substituído por um oponente igualmente empolgante como Miller.  
  
"Eu acho que Gray era um lutador melhor posicionado no ranking, mas acho que Jim é mais perigoso", afirma Lauzon. "Acho que Jim é uma ameaça constante nas finalizações. Acho que nosso wrestling e nossa trocação são similares, e minha vantagem no jiu jitsu é sútil, se é que ela existe. Nós dois procuramos a finalização, nós ditamos um ritmo rápido, não preciso me preocupar com o wrestling tanto quanto precisava com Gray, é uma luta realmente interessante."   
  
Quem deixar a luta Lauzon vs. Miller como vitorioso estará inegavelmente um passo mais perto da possível chance ao título contra o atual campeão dos leves Benson Henderson. Para Lauzon, olhar através de Miller ou do oponente que estiver á sua frente não é uma opção, "J-Lau" tem toda a credibilidade pelo entretenimento que proporciona aos fãs de luta dentro do Octógono.  
  
"Meu dever é produzir lutas empolgantes", continua Lauzon. "Frequentemente ela termina com uma vitória minha, mas às vezes perco. Existem muitas variáveis para descobrir o que vai acontecer depois. Tento me manter humilde, me preparar o melhor que posso, levando uma luta de cada vez e deixo a luta acontecer. Sinto que às vezes os caras estão ganhando a chance ao título e sendo colocados em grandes lutas por causa de lesões, então é o caso de se manter saudável, em forma, e mais cedo ou mais tarde as estrelas vão se alinhar para todos e todos vão ter sua grande oportunidade."  
  
Neste sábado no MGM Grand Garden Arena em Las Vegas, dois pesos leves entrarão em rota de colisão, sem direito a imaginar o que os juízes irão pensar, quando Lauzon enfrentar Miller. "Quem cometer o primeiro erro, provavelmente perderá a luta", disse Lauzon. "Nós dois queremos dar as cartas. Nenhum de nós quer atuar de forma conservadora e vencer por decisão."  
  
Se esta luta acontecer como todos esperam, o destino irá favorecer os fãs antenados na luta co-principal do UFC 155.  

Sábado, Abril 26
20:30
BRST
Baltimore, MD

Media

Recente
UFC 172 media day at Camden Yards on April 24, 2014 in Baltimore, Maryland. (Photo by Josh Hedges/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images)
24/04/2014
Glover encara Jon Jones no UFC 172 e tenta conquistar o cinturão dos meio-pesados para o Brasil. A batalha promete ser a melhor do UFC em 2014.
24/04/2014
Mesmo fazendo sua estreia no Octógono como meio-médio, o poder de nocaute de Anthony Johnson é evidente.
04/01/2012
Os brasileiros campeões do UFC